Este sítio utiliza cookies para assegurar uma melhor experiência de utilização. Ao continuar a navegar está a concordar com a sua utilização.

PT EN

A desinfecção e a qualidade da água para consumo humano em Portugal

2011.08.19

A+ A-

A ERSAR relembra a nota à imprensa sobre a reportagem da SIC relativa à desinfecção da água para consumo humano.

A SIC voltou a apresentar ontem, dia 18 de Agosto, após o jornal da noite, na Grande Reportagem, a peça jornalística intitulada “Desta água beberei?” que já havia apresentado no dia 3 de Outubro de 2010, há quase um ano portanto.

Embora se trate de uma reapresentação sem qualquer facto novo, tendo presente o teor das notícias veiculadas que põem em causa os dados oficiais e transmitem uma ideia errada do estado da qualidade da água na torneira, a ERSAR relembra que fez à data um esclarecimento público, através de uma Nota à Imprensa, que pode ser consultada aqui, e cujo teor se mantém válido.

Relembra-se também que a ERSAR exerceu o direito de resposta previsto nos artigos 24.° a 26.° da Lei n.° 2/99, de 13 de Janeiro, através do seguinte texto que foi reproduzido pela SIC:
«A ERSAR apresentou publicamente no passado dia 30 de Setembro o relatório anual sobre o “Controlo da Qualidade da Água para Consumo Humano” em Portugal, onde se conclui que essa qualidade continua a melhorar, com 98% de água controlada e de boa qualidade. A SIC e o Expresso, com a colaboração da Quercus, desenvolveram um Estudo cujos resultados foram publicados a partir do dia 1 de Outubro no sítio da internet, em diversos noticiários e na Grande Reportagem “Desta água beberei?” do dia 3 da SIC, bem como na edição do dia 2 do jornal Expresso e no sítio da internet da Quercus.
Face ao teor dessas notícias, que põe em causa os dados oficiais e transmitem uma ideia errada do estado da qualidade da água, afectando a confiança dos consumidores, informamos que não reconhecemos nem fundamentação técnica nem validade estatística ao estudo nem aceitamos que seja colocado em causa o relatório ERSAR. O estudo baseia-se apenas em 134 medições de cloro, enquanto a ERSAR se baseia em 700 000 análises, das quais 55.000 referentes a medições de desinfectante residual. Várias outras razões são detalhadas na nota à imprensa disponível em www.ersar.pt.
O problema não é a identificação dos casos referidos, também claramente identificados pela ERSAR, mas sim a generalização dessas excepções e a consequente mensagem distorcida e alarmista à população, funcionando em contra-ciclo com a crescente confiança que os Portugueses têm na qualidade da água(...).
Aos consumidores reafirmamos que a água é de boa qualidade em praticamente todo o Pais. Recomendamos que consultem regularmente os resultados de qualidade da água, divulgados através dos editais das entidades gestoras e pela ERSAR em www.ersar.pt.
Continuaremos a trabalhar com as entidades gestoras, os laboratórios e as autoridades de saúde para que se continue a assegurar a qualidade da água na torneira dos consumidores.»